Compensa reformar um imóvel alugado?

Encontrar um imóvel alugado que atenda todas expectativas de seu novo morador é praticamente uma missão impossível. Entretanto, é inevitável também que o inquilino queira fazer algumas mudanças ou adaptações no imóvel antes de se mudar para ele.

A questão é: até que ponto vale a pena investir em um bem que não seu?

Entenda as responsabilidades

Antes de pensar em reformar, verifique com cuidado os termos do contrato e o que ele possibilita que seja feito.

Outro detalhe importante é sobre as obras de melhorias estabelecidas pelo condomínio, nas áreas externas do imóvel, elas são de responsabilidade do proprietário. Também é responsabilidade dele disponibilizar o imóvel em condições habitáveis, da mesma forma, o inquilino precisa se comprometer com a devolução do mesmo no mesmo estado em que o encontrou.

Vale lembrar que na locação de imóveis são realizadas duas vistorias: a de entrada e a de saída. A vistoria de entrada tem como objetivo apontar as condições do imóvel no início do contrato de locação e ajuda no levantamento de informações detalhadas sobre o estado de conservação dos itens.

Avaliação prévia e contrato

Uma boa avaliação prévia evita conflitos desnecessários. Antes de pensar em assinar o contrato de locação, avalie que tipo de reforma é mais adequada para sua necessidade.

As reformas estruturais contemplam mudanças consideradas essenciais para a habitação (ex.: manutenção hidráulica, eletricidade, conserto janelas ou fechaduras), já as melhorias são mudanças que sinalizam preferências para deixar o imóvel mais aconchegante para o novo inquilino (ex.: pintura, trocas de piso).

A recomendação dos especialistas é que o dono do imóvel e o locatário combinem antes da assinatura do contrato quais mudanças são necessárias e entrem em comum acordo. Outro aspecto importante é documentar o que ficar acordado para evitar conflitos futuros.

Reformar vale a pena?

Essa questão é muito pessoal porque está diretamente ligada a questão do conforto e realidade financeira de cada um.

O mais importante é entender que toda reforma é trabalhosa e tem custos, por isso, só vale a pena se você pretende aproveitar os benefícios a médio ou longo prazo. Caso a intenção não seja ficar no imóvel por um tempo que compense o investimento, melhor não ir nessa direção.

Se prosseguir nesse caminho, o ideal é avaliar que tipo de obra é importante para seu conforto e buscar um diálogo para minimizar os custos.

#FicaADica

Quando a reforma é para melhorias, normalmente a despesa fica para o inquilino, principalmente por não se tratar de uma necessidade. Entretanto, é possível criar um canal de diálogo com a imobiliária e/ou o proprietário justificando melhorias que sejam de interesse mútuo para valorizar o imóvel e, dessa forma, tentar um acordo sobre o abatimento do valor do aluguel no período.

E é sempre bom estar aberto a opções criativas e mais simples. Que tal repensar a substituição de pisos ou revestimentos pela opção de pintá-los ou adesiva-los?

E lembre-se: invista sempre no diálogo. No caso de dúvidas sobre o contrato ou divergências entre as partes, a imobiliária pode fazer a mediação, mas é importante que você já comece com o pé direito e mantenha sempre um relacionamento transparente com o proprietário.

 

Fonte:www.netimoveis.com/blog

Esta entrada foi publicada em Dicas e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *